A culpa é da facada de Adélio Bispo, o lobo solitário

Em 6 de setembro de 2018 o deputado federal Jair Bolsonaro sofreu um atentado durante um comício que promovia sua campanha eleitoral para a presidência do Brasil. Enquanto era carregado em meio à uma multidão de apoiadores, o deputado sofreu um golpe de faca na região do abdômen desferido por Adélio Bispo de Oliveira.[1] Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Atentado_contra_Jair_Bolsonaro

Neste momento, a campanha presidencial no Brasil tomou um rumo imprevisto e inédito na história política do pais: o candidato mais improvável, Jair Bolsonaro, vitimizou-se e sem comparecer aos debates e nem expor qualquer plano de governo consistente, elegeu-se, derrotando todas as outras forças políticas progressistas do país.

O seu eleitorado foi estimulado a acreditar que a facada foi um atentado planejado e organizado pelas esquerdas e pelas forças poderosos do mal, que não desejavam as mudanças representadas hipoteticamente pelo Capitão ou Mito, conforme passou a ser idolatrada a partir deste episódio.

As forças políticas adversárias caíram na tática bolsonaristas, elaborando e divulgando outra teoria conspiratória, pela qual a facada não existiu de fato e foi uma armação do candidato para tirar proveito eleitoral, um erro.

A guerra de versões só favoreceu Bolsonaro, uma vez que a verdade passou a ser um mero detalhe e as investigações decisões sobre o caso e ficaram sob suspeita e sempre na prateleira para ser usada como uma arma secreta.

Bolsonaro gostou tanto da facada e da teoria conspiratória, que continua usando-a para espalhar mentiras e acender o fogo das conspirações comunistas ou de golpes contra o seu governo urdidos por políticos corruptos.

Adélio Bispo e a facada voltaram a ribalta da política, na última semana, quando o Presidente da República, fez uso novamente do fato para justificar a demissão do Diretor Geral da Polícia Federal e a saída do Ministro da Justiça, o mais popular do seu governo, acusado pelo PT de ter manipulado a operação Lava Jato, com ilegalidades processuais, para prejudicar a candidatura de Lula e permitir a eleição do atual Presidente.

Bolsonaro diz que a PF e o Ministro da Justiça deu mais importância as apurações do caso Mariele (caso ainda em aberto e sem os mandantes alcançados) do que em descobrir quem organizou e pagou para que Adelio Bispo cometesse o atentado, não fazendo de conta que acredita na versão oficial do “Lobo Solitário” e da incapacidade mental do criminoso.

O que há de verdade no caso das apurações da facada e do processo de investigação e das decisões judiciais?

Adélio foi preso em flagrante pela Polícia Federal e conduzido para a delegacia central da cidade.[5] Após investigação a polícia concluiu que Adélio agiu sozinho no crime, sem ser orientado por um mandante.[6] Em junho de 2019, a prisão preventiva de Adélio foi convertida em uma internação por tempo indeterminado na penitenciária federal de Campo Grande no Mato Grosso do Sul.[7] A faca utilizada no atentado foi coletada pela Polícia Federal e atualmente está em exposição no museu da corporação em Brasília.[8] Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Atentado_contra_Jair_Bolsonaro

As investigações da PF chegarão a conclusão de que Adélio Bispo agiu sozinho, motivado pelo clima de ódio e inspirado por crenças em uma missão de divina para combater o mal.

O inquérito tombado e acompanhado pelos advogados de Jair Bolsonaro, foi encaminhado ao Poder Judiciário, que realizou todas as provas e contraprovas, incluindo o laudo de sanidade mental do acusado, sem que a acusação e os advogados do Presidente Bolsonaro contestassem, para afinal, a Justiça emitir sentença penal, considerando o réu inimputável, por completa insanidade mental.

Decisão que cabia recurso, mas que os advogados do Senhor Presidente resolveram não recorrer, conformando-se com o resultado do julgamento, situação esta admitida publicamente por Jair Bolsonaro.

O advogado de Adélio Bispo, Zanone  Manuel de Oliveira Júnior, após nova declaração absurdo do Presidente da República, emitiu nota repudiando o uso político de um versão mentirosa:

“Referido corpo técnico acusatório assistencial concordou tanto com o que foi apurado, no tocante à higidez mental do Sr. Adélio, quanto à motivadora singular do crime. Ainda, anunciou seu conformismo com a decisão absolutória imprópria, vez que desta decisão não interpôs qualquer recurso, mesmo motivado processualmente para tanto, tendo inclusive o ilustre presidente anunciado publicamente sua resignação”, afirma. 

O episódio e tantos outros, mostra que o Presidente da República, embora cite constantemente o Evangelho de São João, não tem compromisso algum com a verdade e se utiliza de mentiras para atingir seus interesses e tirar proveito político, sem qualquer escrúpulo, como fez recentemente ao chamar a pandemia de uma gripezinha.

Até quando Bolsonaro continuará a mentir, confundir povo brasileiro e seguir se aproveitando do poder do cargo para proteger milicianos, pastores oportunistas e negociantes de ativos do país?

Embora a mentira seja mais rápida que a verdade, correndo léguas pelas vias digitais, isto tem prazo para acabar, pois é sempre a verdade que vence no final da história. Porém, este prazo pode ser abreviado se os bons se juntarem em torno de uma um projeto consistente de nação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s