Belém é campeã em mães chefes de família.

O candidato Priante enxerga o problema, mas não propõe a solução correta. Em quase tudo, o programa que Priante propõe vem do velho jeito de fazer política, paliativa, populista, clientelista, feita para ganhar votos, eleições e servir de mais uma frustração para um povo esperançoso e crente no futuro que nunca chega.

Um exemplo claro é o programa “Mãe Guerreira”. Um resumo da proposta de Priante para mãe chefes de família não deixa dúvida quanto a sua fragilidade conceitual:

“O Programa “Mãe Guerreira” vai beneficiar mulheres chefes de família que sustentam por conta própria seus filhos. 👩‍👧‍👦 Na primeira fase serão 2 mil participantes que receberão um auxílio mensal de R$400 e apoio da prefeitura para conseguirem empregos. 👩🏽‍💼”

post da plataforma Facebook do candidato

Segundo o IBGE, as mulheres chefiam 4 de cada 10 lares em Belém. Aqui está parte do problema. Sem olhar os dados de emprego formal na Capital e da renda, ainda não se pode avançar em solução.

Belém tem apenas 29,5% de sua população ocupada, onde 39% tem rendimento per capita mensal de 1/2 salário mínimo.

Os dados revelam, sem qualquer sinal de escamoteamento, que mulheres chefes de famílias, além desta condição de sozinhas sustentarem a unidade familiar, ainda tem pela frente um mercado de trabalho que oferece muito pouco emprego formal, de onde o rendimento extraído é baixíssimo.

Para alterar este quadro, o candidato propõe um saída marqueteira e fácil de ser visualizada na propaganda política, criando a ilusão de coisa boa e do bom discurso. Trata-se de um programa de um auxilio mensal de R$400,00 e apoio para conseguir emprego. Se fosse fácil assim já teria sido feito, mas não foi porque não fácil e nem é a solução.

O programa diz ainda que no primeiro momento atenderá apenas 2.000 mulheres, um número bastante reduzido para o número de mães nestas condições, mas que significará um aporte de R$ 9,6 milhões por ano, que somados aos custos para administração do próprio programa e as iniciativas para conseguir emprego, pesarão significativamente no baixo capacidade orçamentária da Prefeitura de Belém.

O primeiro passo, para se ter uma saída segura, é saber que Belém precisa de um programa econômico de crescimento de emprego e renda. É preciso conhecer melhor a realidade das mulheres chefes de famílias. Saber quantas estão em situação de vulnerabilidade. Quantas já participam dos programas de rendas do Governo Federal, como bolsa família. Quantas precisam de empregos e em que áreas. Quantas precisam de formação profissional.

Se a mulher, chefe de família, está inscrita no Programa Bolsa Família, pelas regras do programa, não poderá acessar outro benefício com dinheiro público. Ou seja, estará fora do programa proposto por Priante.

Priante, mas não só ele, através de seus programas eleitorais, falam dos problemas, verbalizam sobre a dor e o sofrimento das pessoas, falam de negros, de periferia, de abandono, de alagamento, de saúde, de lixo, de pets, de mobilidade apenas como peças publicitárias de campanha, dita com cobertura de imagens e vozes emocionantes. O eleitor, na outra ponta, sente-se, por vezes, representado. Este jogo é jogo de perde, perde.

Enxergar o problema com honestidade, tratá-lo com decência, não transformar o drama das pessoas em bandeira eleitoral, apresentar soluções verdadeiras, me parece o único caminho seguro para Belém melhorar e crescer enquanto uma comunidade sadia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s