Prefeitura de Pirabas sacrifica cavalos e enterra em área de proteção ambiental

A Prefeitura de São João de Pirabas sacrificou e enterrou 11 cavalos em área de proteção ambiental, próximo ao Loteamento Laranjal, área de terra pertencente a estado e destina a regularização fundiária a pessoas que já residem por muito tempo neste local.

Após a denuncia dos moradores e grande repercussão e Prefeitura, através da secretária municipal de meio ambiente, emitiu nota, na qual falta com a verdade sobre a propriedade da área e confessa violação da Lei do Sistema Nacional de Unidade de Conservação.

Veja a nota oficial:

Os veículos de tração animal estão sendo abolidos e até proibidos na grande maioria dos municípios brasileiros, por se tratar de uma atividade penoso, sacrificante e causadora de maus-tratos, violando o art. 32, da lei dos crimes ambientais:

“Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos:

Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa.

Por tanto, a Secretaria do Meio Ambiente está na contramão de tudo que se faz no país ao dizer que sua ação visou regularização uma atividade que está sendo abolida e substituída por meios ambientalmente mais recomendados.

A nota da SEMMA, ao negar que área seja uma área de proteção ambiental, confessa a violação ao § 7.º, do art. 22, da Lei Federal n.º 9985/2000, que estabelece que após afetar uma área para criação de uma Unidade de Conservação por decreto, a desafetação precisa ser feita por lei, aprovada pela Câmara Municipal.

Ao anular o decreto, alegando irregularidades, sem dizer quais as irregularidades, a área afetada para UC, continuará afetada, pois para que isso deixasse de existir, seria necessário que o poder público, através de uma mensagem fundamentada, expondo as razões e as irregularidades, e obtivesse a concordância do Poder Legislativo, o que não ocorreu.

As terras, que a SEMMA diz ser de propriedade do município de Pirabas, na verdade são terras devolutas do estado, regidas por lei e regulamentos, cujo titular é o ITERPA.

O mais grave, porém, ainda precisa ser destacado. A Prefeitura cometeu crime ambiental ao utilizar a área de proteção ambiental como cemitério, enterrando os animais sacrificados, quem sabe, sem observar os cuidados sanitários e colocando em risco o lençol freático da regiào.

Também, deve ser registrado que nesta área existem moradores e um loteamento humano de grande significado para questão social do direito a moradia.

O ITERPA, titular da terra, não pode se omitir e precisa atender o pleito dos moradores, cujo protocolo com pedido de audiência se encontra naquele instituto.

Quanto a SEMMA e seus vários crimes e ilegalidades, deixemos a critério do Ministério Público do Estado, órgão que tem muitos promotores vigilantes na defesa do meio ambiente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s