Incêndio na Imerys, em Barcarena: cadê o dinheiro das compensações e multas ambientais?

Ontem, 07/12, acompanhado do presidente municipal do Partido Verde, Samuel Paumgarttem, fui a Barcarena, cidade que abriga o complexo portuário do Pará e o polo industrial do alumínio.

Neste porto é que houve o desastre onde morreram cinco mil bois afogados nas águas do rio Pará.

Na noite de segunda-feira, 06/12, um incêndio no depósito de produtos químicos da empresa Imerys, maior exportadora de caulim do país, liberou gases tóxicos para as comunidades do entorno, intoxicando crianças e idosos.

Este é o décimo acidente nos últimos anos, sem que haja punição ou mudanças no sistema de monitoramento e fiscalização, muito menos a adoção de um plano de contingência para evacuação em caso de acidentes.

A comunidade ainda se queixa de que as multas, as compensações, as taxas e os acordos ambientais celebrados e aplicados pelos órgãos do estado as empresa, vão para os cofres do estado do Pará e as pessoas atingidas não sabem em que o dinheiro foi aplicado, posto que não tem transparência sobre esses recursos financeiros.

Na quinta-feira, quando uma comissão parlamentar irá até a Imerys, a comunidade promete fazer uma ato público pacifico na porta da empresa para exigir seus direitos violados e explicações por parte das autoridades.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s