A Polícia Civil cabe responder: A juíza cometeu suicídio?

A sociedade paraense acreditará na versão apresentada pela Policia Civil do Pará ao final das apurações do caso?

A Polícia Civil deve ser um órgão de estado, acima dos interesse econômicos, políticos, ideológicos ou de governantes de plantão. O seu papel é entregar a sociedade as explicações convincentes e legitimas de as apurações sobre todos os crimes.

O caso do suicídio da juiz Monica Figueiredo, esposa do também juiz, João Augusto, duas pessoas influentes, com familiares e amigos que podem alterar o curso do processo, estão sobre a torrente de versões que circulam na boca do povo desde que o fato foi noticiado pela imprensa paraense.

A juíza, Monica Figueiredo, foi encontrada morta, no interior do seu veículo e levada pelo esposo, no carro onde foi encontrada até a Divisão de Homicídio da Policia Civil do Pará.

A noticia narrava que o Juiz, no BO, contou que teve um discussão com sua esposa, que ela teria arrumado as malas, descido até o estacionamento do prédio, dizendo que iria viajar. Por volta das 6h40, quando iria sair para trabalhar, o Juiz não encontrou a chave do carro. Ele, então, pegou a chave reserva e ao chegar na garagem onde veículo estava estacionado, encontrou o veículo com a porta aberta e ao se aproximar percebeu que sua esposa havia cometido suicídio. Foi nesse momento que o Magistrado entrou no veículo e se dirigiu a Delegacia de homícidio.

Após circular a versão dada pelo Juiz, Inúmeras perguntas passaram a alimentar a criatividade por trás dos boatos e da verve cronista do povo paraense.

  1. Como um juiz de direito, conhecedor das leis, altera a cena do crime?
  2. Um mulher tão bonita bem sucedida não teria motivos para tirar a própria vida?
  3. O carro foi estacionado em um prédio onde o casal não residia?
  4. Dificilmente um suicida atira no peito?
  5. Por que o Juiz-marido não foi levar a esposa no aeroporto e, ao contrário, preferiu dormir?
  6. A juíza já está vivendo um relacionamento abusivo?
  7. Como pode um Juiz que está na Vara responsáveis por crimes de violência doméstica agir assim?

Quem vai responder a todas essas perguntas é a investigação policial. São os investigadores e peritos da policia civil do Pará, usando as melhores técnicas de investigação, dentro de um clima que não permita interferência e nem pressão, incluindo a pressão da opinião pública, é que coletarão todas as provas para afirmar ou negar a versão apresentada pelo juíz João Augusto.

A seriedade, o profissionalismo e a isenção que conduzirão as apurações é que irão confirmar as suspeitas ou nega-las e fazer a sociedade acreditar ou confirmar suas suspeitas.

Uma polícia investigativa competente e com credibilidade perante a opinião pública cultiva no povo o senso de justiça que os orienta a obedecer a lei e cultivar a paz social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s