O que Colatina tem a ver com Belém e com o candidato Eguchi?

Em 2014, na campanha para o Governo do Pará, visitei a Fazenda Colatina, em Tomé Açu

Vi uma postagem do Prefeito de Colatina, cidade do Espírito Santo, apoiando o candidato Delegado Federal Eguchi e me perguntei: o que Colatina tem a ver com Belém ou com o Pará?

Como nada na vida é por acaso, ou como diz a frase bíblica, que muitos gostam de repetir, tirando-a do contexto, em que escreve São Paulo: não caí uma folha sem que Deus não queira.

Lembrei-me da ligação triste de Colatina, com Tomé Açu e com o Pará. Não por acaso,Tomé Açu, que nesta eleição, elegeu Carlos Vínicos, acusado do assassinato, por meio de pistoleiros, do advogado Jorge Pimental e do empresário Luciano Capacio, é o município de origem do candidato Eguchi.

Em Tomé Açu, tem uma comunidade denominada Colatina (foto). Era a área da antiga Fazenda Colatina, uma terra grilada por um madeireiro oriundo do Espirito Santo. Como muitos de lá, este grileiro migrou para o Tomé Açu em busca de extrair madeira e arrecadar terra ilegalmente.

O homem da Colatina, devastou, escravizou, alugou pistoleiros, implantou o terror em uma comunidade pobre, de nativos e negros, um quilombo de Tomé Açu.

O ano era 1984, o dia era 04 de julho, por volta de meio dia, Benedito Bandeira, o Benezinho, Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Tomé Açu, saia da sede da entidade, quando foi impiedosamente alvejado pelos tiros despejados pelas pistolas de Jaracy Pedro de Souza, José Machado do Nascimento e Natham, contratados pelo fazendo capixaba, Acrino Azevedo Breda, que havia grilado uma grande área de terra, expulsando os antigos moradores, para ali estabelecer a Fazenda Colatina.

A comunidade revoltada com a execução de Benzinho, destruiu a delegacia e matou os três pistoleiros, que receberam CR$ 5.000,00, do fazendeiro Breda, que nunca chegou a ser preso pelo caso.

Os capixabas que pra cá vieram com o mesmo proposito, se espalharam e muitos deles seguiram grilando terra e derrubando floresta pelo Pará a fora, cometendo crimes ambientas. Eguchi, amigo dessa gente, tentou ser o superintendente do Ibama para, quem sabe, ajudá-los na saga de destruir a Amazônia.

O passado é revelador. Por isso, a tentativa de eleger Eguchi representa muito mais que tomar posse de Belém, significa a vitória de pensamentos atrasados, onde o trabalho, o trabalhador e a natureza não criam riquezas e nem desenvolvimento, servem apenas ao proposito da ganância. O quem tem valor para eles é aquele que grila, devasta, mata e destrói.

Proposta do Delegado Federal Eguchi para o tratamento do lixo de Belém, não é viável e está baseada em um modelo da corrupção.

PPP para implantação de usina biodigestora, seguindo o modelo do Paraná, não serve para Belém

O que propõe o candidato a prefeito de Belém, Delegado Federal Eguchi, para o destino final de quase duas toneladas de lixo, produzidas diariamente pelos moradores de Belém, assunto que terá que ser resolvido em pouco tempo, logo depois da posse?

O Delegado Federal Eguchi, no seu programa, fala em lixeiras, educação ambiental, coleta seletiva, tudo de forma sintética, em bem poucas linhas, para destino final, o texto é mais claro, porém, sem viabilidade econômica, duvidoso do ponto de vista ambiental, não aplicável a realidade de Belém e não serve para substituir o aterro sanitário.

Leia o que propõe o candidato do Patriota:

Promover parcerias público-privadas para a substituição dos aterros sanitários pelas usinas de biodigestores para gerar energia através de esgoto e lixo, tal qual o modelo já existente no Estado do Paraná;

https://divulgacandcontas.tse.jus.br/candidaturas/oficial/2020/PA/04278/426/candidatos/696162/5_1601089177823.pdf

O próximo prefeito de Belém terá pela frente, logo após a posse, em janeiro de 2021, a urgência em apresentar solução para o “lixo” de Belém, notadamente, seu destino final. A Justiça Paraense deu prazo para encerrar o “Aterro Sanitário do Marituba”, operado pela empresa Guamá Resíduos Sólidos, que recebe toda a produção diária de “lixo” da cidade (estou utilizando a denominação “lixo”, embora a tecnicamente seja os rejeitos, após a reciclagem dos resíduos sólidos, para melhor compreensão), principalmente o lixo domiciliar, o que deve ocorrer até o mês de maio, caso não se consiga alguma prorrogação.

Lembrando que os resíduos não domésticos, compreendidos como restos de construção civil, os industrias, os entulhos atirados pelos moradores em determinados pontos da cidade e que incomodam, por dar aspecto de sujeira, são depositados em células que ainda funcionam no antigo aterro do Aurá, nunca desativado.

O projeto a que Eguchi se refere, implantado no Paraná, pelo Governador Beto Richa, cassado por corrupção, foi apelidado de “Pasadena do Paraná” em alusão a uma refinaria sucateada, comprada pela Petrobrás, no Governo da Presidenta Dilma Roussef, investigada na operação Lava Jato, um negócio que deu prejuízo de vultuosa soma a Estatal brasileira.

A PPP do Paraná foi uma associação da empresa pública SINEPAR, com a empresa privada CATTALINI, formando a empresa CS Bioenergia, empreitada que custou mais de R$ 62 milhões ao Governo do Paraná.

O projeto previa produzir 2,8 megawatts de energia, usando como matéria prima 1000 m3 de lodo, resultado do tratamento de esgoto de Curitiba e 300 toneladas de lixo orgânico produzidas pelo aterro sanitário.

A primeira descoberta feita pelas autoridades de controle dos gastos públicos foi de que o lodo produzido era insuficiente para alimentar o Biogás. Descobriu-se ainda que houve manipulação criminosa na montagem da PPP; que os maiores custos de operação da usina ficavam criminosamente para o estado, incluindo pagar R$180 mil por mês para transportar a matéria prima até a usina e o pior, a empresas nunca produziu energia suficiente para bancar suas despesas. Um projeto inviável do começo ao fim.

Leia mais em Dossiê CS Bioenergia

A referência ao modelo do Paraná, foi concebido por um governo corrupto e não serve para Belém, tampouco eliminará a necessidade do Aterro Sanitário. A matéria prima para produzir biogás é lodo e material orgânico.

O lodo é produzido depois da coleta e tratamento do esgoto, coisa que em Belém ainda é incipiente. Belém tem um dos priores índices de coleta e tratamento de esgotos do país. Em nossa cidade, a Prefeitura ou a Cosanpa coletam muito pouco do esgoto e tratam menos ainda.

Antes de pensar na Usina de Biogás, se conhecesse a Cidade, Eguchi nem teria aventado esta possibilidade a curto ou médio prazo.

A outra elemento que compõe a matéria prima destas usinas, é o lixo orgânico, resultado da decomposição que acontece nos Aterros Sanitários, depois que o lixo é coletado, separado, reciclado e sobra o rejeito a ser tratado. Este tipo de material também pode ser coletada na CEASA, mas o volume de tudo que se possa produzir não é bastante para alimentar uma usina e dar segurança a sua viabilidade econômica.

O que deve ser feito em Belém é a implantação integral da Política Nacional de Resíduos Sólidos-PNRS, instrumento importantíssimo da Lei n.º 12.305/2010.

O PNRS determina que a Prefeitura implante a logística reversa, exija dos produtores de resíduos o Plano de Gestão, implantem a coleta seletiva em todos os bairros, com a participação dos catadores de materiais reciclados, através de suas cooperativas, crie programa de educação ambiental envolvendo os moradores na meta de reduzir a produção de resíduos e promova o destino final adequado dos rejeitos.

O destino final dos “lixo” (rejeitos) pode e deve ser feito através de PPP. Defendo que a Prefeitura abra uma licitação para que empresas de todo país apresentem solução completa para todo o tipo de resíduos sólidos produzidos em Belém, incluindo os entulhos, a coleta seletiva, com os catadores, as usinas de reciclagem, o destino final ambientalmente correto e o encerramento do Aurá.

O Delegado Federal Eguchi, que tanto prega o combate a corrupção, mesmo que não entendesse de tratamento de resíduos sólidos, deveria desconfiar que um projeto concebido e implantado por um governo corrupto do Paraná, nunca poderia servir de referência para constar de seu plano de governo.

É hora de eleger um projeto de cidade como um espaço que une

Por José Carlos do PV

No dia 15 de novembro, vamos escolher o engenheiro e os pedreiros que reformarão nossa casa. Queremos morar melhor e com mais conforto, mas chamo a atenção para o fato de que esses administradores e executores escolhidos precisarão de um projeto de reforma se quisermos morar melhor.

Escolher bem o prefeito e os vereadores é bom, é democrático, é necessário, mas não lhes dizer qual cidade queremos pode, fatalmente, piorar o que hoje não está bom.

A cidade é a nossa casa. Nosso espaço coletivo. Nosso lugar de criar a família, de fazer amigos, de realizar os sonhos profissionais. Um lugar assim deve ser o melhor lugar do mundo.

Quando pensamos em uma cidade, devemos pensar em pontos importantes para a sua funcionalidade e interação das pessoas. Vamos pensar sobre essa funcionalidade, levantando os pontos-chave e comparando com a cidade de hoje?

Mobilidade e saneamento

Espaços públicos são as ruas, as calçadas, as praças, os parques, as escolas, as quadras, os locais de eventos. Quanto mais limpos, bem cuidados, arejados e frequentados, muito melhor será a cidade. Faça um mapa mental desses espaços ao redor de onde você mora e descubra o que está faltando ou funcionando mal.

Mobilidade é a circulação fácil, rápida e confortável de onde você está para qualquer ponto de sua cidade, principalmente para realizar as atividade fundamentais do seu dia a dia – como trabalhar, estudar, praticar esporte, acessar lazer, cultura e diversão ou ir em busca de serviços públicos disponíveis.

Fazer tudo o que uma vida saudável requer, sem transtornos, congestionamentos, barreiras, sem impactar ambientalmente a cidade, é o ideal que buscamos em um espaço coletivo. Na sua cidade o que atrapalha o ir e vir dos moradores?

Água e saneamento nos remetem à limpeza, ao asseio, à assepsia, mas não é só isso. Tratar a água e limpá-la depois do uso, antes de devolvê-la ao meio ambiente, previne doenças, garante boa saúde e cuida adequadamente do meio ambiente. Receber água de qualidade, com tratamento adequado, PH acima de 6, é um direito de todos os moradores de uma cidade, porque é um direito à vida protegido na Constituição Federal.

Saber que, depois do uso doméstico ou industrial, a cidade coleta as águas servidas e as tratas satisfatoriamente antes de devolvê-las ao meio ambiente nos garante que não estamos espalhando doenças, comprometendo o futuro das pessoas e do território.

Cuidando do lixo

Resíduos sólidos é a classificação técnica para tudo aquilo que sobra depois do uso humano das coisas. Esses resíduos devem ser reutilizados e só aquilo que não tiver qualquer possibilidade de reutilização, o chamado rejeito, é que deve ser descartado adequadamente e segundo a melhor técnica ambiental. Nossa economia é linear e funciona produzindo resíduos em todas as suas etapas, seguindo uma reta de destruição. O bom é construirmos uma economia circular, sem resíduos e sem sacar da natureza em velocidade que não permite à natureza se recompor.

A cidade é produtora de muito resíduo e deve encontrar solução adequada, implementando a Lei n.º 12.305, Política Nacional de Resíduos Sólidos, principalmente com a coleta seletiva de recicláveis e com o descarte adequado dos rejeitos, além de um política de não produção de resíduos sólidos. Faça agora um exame de consciência e veja a partir da sua casa, dos seus hábitos, como sua comunidade trata o lixo de sua cidade.

Patrimônio histórico e serviços públicos

Meio ambiente não é só o ambiente natural. Existe também o meio ambiente artificial, construído por nós, como é o caso do meio ambiente urbano. Nele, devemos resguardar o equilíbrio e a vida. Cuidar da história, guardando e zelando pelo patrimônio histórico. Manter as fachadas dos prédios harmônicos, preservando a beleza estética. Arborizar e criar espaços verdes. A beleza visual acalma, estimula, permite um ambiente de vida saudável, atrai negócios, turismo, produz cultura, ajuda o equilíbrio. Quanta história e beleza foi destruída em sua cidade?

Serviços públicos básicos, de qualidade, para todos, sendo ofertados na cidade são fundamentais. Saúde, educação, esporte, assistência social. Cuidar das pessoas com humanidade é o que se espera dos administradores e de seus agentes. Isso não é menos importante, mas é o que deveria ser a prática republicana, como política de Estado. Será que tudo isso funciona em seu espaço?

Outro ponto é a organização das finanças públicas, a arrecadação dos tributos e o controle dos gastos excessivos, com ética, transparência e participação dos moradores nas decisões de prioridades dos gastos. É importante ter um planejamento participativo de forma plurianual, pensando no amanhã.

Para não alongar muito mais a reflexão sobre qual cidade queremos eleger e manter, segue um trecho da encíclica pastoral Laudato Si, emitida pelo Papa Francisco, que resume o sentido de pertencimento e integração que devemos ter em nossas cidades: “Como são belas as cidades que superam a desconfiança doentia e integram os que são diferentes, fazendo desta integração um novo fator de progresso! Como são encantadoras as cidades que, já no seu projeto arquitetônico, estão cheias de espaços que unem, relacionam, favorecem o reconhecimento do outro!”.

Para que servem as árvores urbanas?

A pergunta vem depois que uma mangueira nova e carregada, caiu e perdeu parte significativa da copa, ontem, dia 30/10. A mangueira estava carregada de frutos e sem manutenção, após muitas intervenções humanas, ficou desequilibrada e não suportou a carga de frutos e tombou, perdendo parte significativa da copa.

A mangueira está plantada na Av. Generalíssimo Deodoro, entre Conselheiro Furtado e Mundurucus, num terreno onde está sendo construída a nova sede da concessionário da Chevrolet. A construção, deste estabelecimento retirou outros vegetais, incluindo frondosa mangueira, que ficava na parte interna e que servia de moradia para um casal de gaviões e muitos pássaros, de todas as espécies urbanas, principalmente bem-te-vis e sabias.

Todos os dias temos este conflito entre as árvores urbanas, as áreas verdes e a necessidade de implantação de prédios para moradia e atividades comerciais. As árvores internas são suprimidas. As externas, as que estão nas ruas, quando atrapalham a fiação, as faixadas, as garagens, os espaços de estacionamentos, são cortadas sem dó nem piedade. As árvores, sem voz, sem vereador, sem votos, sempre perdem a guerra por espaço urbano.

Mas para que servem as arvores urbanas? É possível encontrar a paz entre as árvores e as atividades humanas?

As árvores dão sombra. As árvores limpam o ar da poluição. As árvores evitam alagamentos e enchentes. As árvores reabastecem o lençol freático. As árvores absorvem os ruídos. As árvores abrigam as mais diversas vidas na área urbana, equilibrando o meio ambiente inóspito do concreto e do asfalto.

Você tem mais vantagens para as árvores? Então, meu amigo, minha amiga, comente e colabore.

Uma rua arborizada, ganha de 3º a 4º em conforto térmico. Isto é muito para uma cidade que fica em plena linha do Equador, com o sol se projetando sobre as pessoas a 90º. O conforto térmico é uma parte da vantagem, pois o sol em excesso prejudica a pele, com doenças importantes, além do envelhecimento precoce.

O ar nas cidades sempre fica carregado de partículas expelidas pelas descargas dos veículos que circulam por nossas ruas. As partículas são provenientes da queima de combustível fóssil. São estas partículas que respondem pela enorme quantidade de doenças respiratórias, incluindo a incomoda rinite. As árvores urbanas são filtros poderosos. Funcionam limpando e purificando o ar, incluindo melhorar o nível de oxigênio no ar da cidade.

As áreas das cidades são impermeabilizadas pelo as construções urbanas, pelo cimento das calçadas e pelo asfalto das ruas. Quando as chuvas caem, o acumulo de água que se precipita vindo do céu, em dias de chuvas, chegam ao solo e precisam escorrer, de volta ao leito dos rios ou ao encontro dos corpos d’água subterrâneo. É o movimento normal da natureza interrompido pelas nossas obras e construções. Se não escorrem, as águas represam e, dependendo do volume, causam grandes transtornos, geralmente nas áreas baixas, ocupadas pelas populações mais pobres. As árvores e áreas verdes, quando mantidas em quantidade suficiente, recebem as águas precipitadas, que escorrem através de suas copas, caules, até chegar as raizes, se infiltrando e alcançando o lençol freático, evitando os transtornos e reabastecendo os corpos hídricos.

Você nem nota, de tanto que está acostumado, os barulhos da cidade onde mora, mas o seu sistema auditivo está sendo prejudicado dia após dia. As maquitas cortando lajotas, os carros, as motos, as buzinas e as descargas, as obras, os bares, as baladas, o carro do gás. São diversas as fontes sonoras que elevam os decibéis a níveis insuportáveis nas áreas urbanas. A poluição sonora, provocada pelos abusos, correspondem a maioria das ligações para os telefones da Policia Civil em plena madrugada que deveria ser silenciosa. Pois também aqui, podemos contar com as árvores para diminuir o impacto, dissipando os ruídos urbanos.

Um cidade sem outras vidas, seria um cenário de um trágico drama humano. Queremos viver apenas com os pets? é um escolha. Mas podemos criar nossos belos e bem cuidados pets em nossos apartamentos e manter também entre nos, muitas espécies de pássaros, roedores, mamíferos, que nos garanta qualidade de vida urbana. Um levantamento, mostrou que São Paulo, com 506 espécies catalogadas, abriga mais aves que o Chile e o Portugal juntos. E a sua cidade, tem quantas espécies vivendo entre os habitantes? Confira. Peça para o Poder Público catalogar tudo que é vivo onde você mora.

Repetindo as vantagens da arborização, para fixar:

>Preserva a fauna silvestre;
->Reduz a temperatura;
->Melhora o microclima local;
->Garante melhor qualidade de vida;
->Garante sombra a pedestres e veículos,
->Ameniza a poluição sonora,
->Protege contra ventos fortes,
->Reduz o impacto da chuva no solo,
->Assegura bem-estar psicológico,
->Proporciona efeito estético.

Até aqui, creio eu, não temos divergências e concordamos com tudo que as árvores trazem de bom para nossa vida urbana. Agora, nossa missão, meus caros, é trabalhar por ter uma arborização farta e sadia, resolvendo plantio, saúde dos vegetais e o fim do conflito entre morar, gerar emprego, manter atividades urbanas, com arborização e qualidade do verde da cidade.

Convido você é a ser uma amigo das árvores urbanas. Topas?

Comece olhando ao seu redor e conferindo as árvores do seu entorno. Veja em que estado elas estão. As que estão precisando de manutenção devem ser informadas para a SEMMA – Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Gabinete da Semma: E-mail: oficiosemma@gmail.com; Ângela Maria Costa Pereira de Sousa: (91) 98882-7527; e Telefone: (91) 3039-8106

Devemos escolher gestores amigos da arborização. Devemos pedir que elaborem plano municipal de arborização. Que este plano seja debatido com as autoridades e com os interessados. Decidir por meta de plantio e manutenção. Fiscalizar e punir os que atentam contra a arborização.

Lute por sua cidade e pela arborização urbana.

Belém é campeã em mães chefes de família.

O candidato Priante enxerga o problema, mas não propõe a solução correta. Em quase tudo, o programa que Priante propõe vem do velho jeito de fazer política, paliativa, populista, clientelista, feita para ganhar votos, eleições e servir de mais uma frustração para um povo esperançoso e crente no futuro que nunca chega.

Um exemplo claro é o programa “Mãe Guerreira”. Um resumo da proposta de Priante para mãe chefes de família não deixa dúvida quanto a sua fragilidade conceitual:

“O Programa “Mãe Guerreira” vai beneficiar mulheres chefes de família que sustentam por conta própria seus filhos. 👩‍👧‍👦 Na primeira fase serão 2 mil participantes que receberão um auxílio mensal de R$400 e apoio da prefeitura para conseguirem empregos. 👩🏽‍💼”

post da plataforma Facebook do candidato

Segundo o IBGE, as mulheres chefiam 4 de cada 10 lares em Belém. Aqui está parte do problema. Sem olhar os dados de emprego formal na Capital e da renda, ainda não se pode avançar em solução.

Belém tem apenas 29,5% de sua população ocupada, onde 39% tem rendimento per capita mensal de 1/2 salário mínimo.

Os dados revelam, sem qualquer sinal de escamoteamento, que mulheres chefes de famílias, além desta condição de sozinhas sustentarem a unidade familiar, ainda tem pela frente um mercado de trabalho que oferece muito pouco emprego formal, de onde o rendimento extraído é baixíssimo.

Para alterar este quadro, o candidato propõe um saída marqueteira e fácil de ser visualizada na propaganda política, criando a ilusão de coisa boa e do bom discurso. Trata-se de um programa de um auxilio mensal de R$400,00 e apoio para conseguir emprego. Se fosse fácil assim já teria sido feito, mas não foi porque não fácil e nem é a solução.

O programa diz ainda que no primeiro momento atenderá apenas 2.000 mulheres, um número bastante reduzido para o número de mães nestas condições, mas que significará um aporte de R$ 9,6 milhões por ano, que somados aos custos para administração do próprio programa e as iniciativas para conseguir emprego, pesarão significativamente no baixo capacidade orçamentária da Prefeitura de Belém.

O primeiro passo, para se ter uma saída segura, é saber que Belém precisa de um programa econômico de crescimento de emprego e renda. É preciso conhecer melhor a realidade das mulheres chefes de famílias. Saber quantas estão em situação de vulnerabilidade. Quantas já participam dos programas de rendas do Governo Federal, como bolsa família. Quantas precisam de empregos e em que áreas. Quantas precisam de formação profissional.

Se a mulher, chefe de família, está inscrita no Programa Bolsa Família, pelas regras do programa, não poderá acessar outro benefício com dinheiro público. Ou seja, estará fora do programa proposto por Priante.

Priante, mas não só ele, através de seus programas eleitorais, falam dos problemas, verbalizam sobre a dor e o sofrimento das pessoas, falam de negros, de periferia, de abandono, de alagamento, de saúde, de lixo, de pets, de mobilidade apenas como peças publicitárias de campanha, dita com cobertura de imagens e vozes emocionantes. O eleitor, na outra ponta, sente-se, por vezes, representado. Este jogo é jogo de perde, perde.

Enxergar o problema com honestidade, tratá-lo com decência, não transformar o drama das pessoas em bandeira eleitoral, apresentar soluções verdadeiras, me parece o único caminho seguro para Belém melhorar e crescer enquanto uma comunidade sadia.

Seu candidato tem solução para os alagamentos de Belém?

As campanhas dos candidatos a prefeito de Belém seguem o ritmo de sempre. Falar bem de si mesmo e meter o pau no adversário. Só que agora isto também é feito nas redes sociais, pelos militantes e apoiadores, enchendo os perfis pessoais de ataques aos adversários.

Esse modus operandi é até normal para a forma atrasada de fazer política entre os brasileiros. Agora eu quero ver debater os problemas da cidade e apresentar soluções.

Vamos a um deles: os alagamentos.

A cidade alagava na época em que Edmilson era Prefeito? Sim. Alagava na administração Duciomar? Sim. Alaga agora no período do Zenaldo? Sim.

Basta cair uma chuva forte e coincidir com a maré alta para parte das ruas da cidade alagarem. O escoamento é mais rápido que em outros lugares. Mas que alaga, alaga.

Vamos ao diagnóstico do problema. Belém está numa cota baixíssima em relação ao nível do mar. As áreas baixas da cidade foram ocupadas desordenadamente. Uma parte da população não colabora e atira entulho nos canais, entope os bueiros com sacos e garrafas plásticas. Resultado são os constantes alagamentos em todas as administrações, exceto no tempo de Antonio Lemos, quando a população ainda era diminuta.

Para desobstruir canais e fazer o escoamento das águas decorrentes de grandes precipitações é necessário ter projeto de engenharia adequado, altas somas de receita para investimentos, receitas que vão além da capacidade de arrecadação do município, indenizar e remanejar moradores cuja moradias obstruem a livre passagem das águas e respeitar a natureza, fazendo-se aliado dela.

O seu candidato tem solução de esquerda, de centro ou de direita para este problema eterno? Isto sim é muito mais importante que debater ideologias ou idade da pessoa.

As críticas mal intencionadas ditas pelos adversários políticos podem prejudicar a cidade.

Nas eleições dar-se ênfase as críticas severas aos políticos que está no cargo, pouco ao debate dos problemas da cidade e as propostas para solucioná-los. Isto porque quem avalia os prefeitos e os problemas da sua administração são os adversário.

Os prefeitos deveriam ser avaliados pelos cidadãos. Quem tem interesse que a cidade funcione bem, com todos os serviços públicos em perfeita ordem não são os adversários do prefeito. Estes estão interessados em galgar o cargo público em disputa eleitoral.

Quem mora em Belém não deixa de elogiar obras como a Praça Batista Campos, as mangueiras das principais avenidas, os Bulevares, o Mercado de São São Braz, o Bosque Rodrigues Alves, o planejamento do bairro do Marco, como suas ruas e quarteirões bem medidos. Tudo são obras da Administração de Antonio Lemos, um dos melhores prefeitos que já passou por esta terra. Mas aos olhos de seus adversários, Antonio Lemos não tinha este cartaz que hoje a atual geração reconhece nele.

A lógica dos adversários políticos é injusta e obedece um só padrão, resumido na frase folclórica: meus amigos não tem defeitos e meus adversários não possuem virtudes. 

Foi usando essa lógica, que os adversários de Antonio Lemos, insuflados por Lauro Sodré e seus aliados, atacaram o prefeito de forma brutal e vil: “Em 1912, Lemos teve sua residência e o jornal de sua propriedade, A Província do Pará, incendiado pela população e por seus inimigos políticos, tendo sido expulso da cidade após este ato” http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1371341559_ARQUIVO_Acidadeconcedida-ANPUH2Final.pdf

Zenaldo Coutinho, atual prefeito de Belém, trabalhou muito. Administrou em plena crise econômica, quando o município perdeu mais de um bilhão em receitas. Não se meteu em escândalos de corrupção. Buscou soluções para os mais diversos problemas da nossa comunidade. 

Vale destacar que o Prefeito Zenaldo foi gigante no combate ao coronavírus. Não abandonou ao povo no momento mais crucial, quando a população precisou enfrentar a pandemia. Deu conta do recado! 

Ao dizer isso, faço como provocação e sei que para muitos, serão estes parágrafos que irão dominar os comentários ao texto, torna-dos mais importante que o tema central do texto.

Mas é bom que se diga, o Prefeito atual de Belém não solucionou todos os problemas que uma cidade do porte de Belém apresenta. Nem era possível chegar a este resultado, uma vez que os recursos são sempre escassos para tanto que a Cidade exige e merece. 

Os entulhos jogados pelos moradores nas esquinas, levados por carregadores em seus carros de madeira, em todas as esquinas, dando a cidade um aspecto de sujeira, é uma dessas travancas sem uma boa e eficiente saída. 

Tem muitos outros entraves que, se resolvidos, facilitariam a vida da coletividade. São casos a espera de propostas eficazes. 

Se pedirmos para o Edmilson Rodrigues ou José Priante avaliar a administração de Zenaldo Coutinho, ouviremos uma repetição do que os lauristas diziam de Lemos, basta pegar uma noticia da época, publicada no jornal de oposição a Folha do Norte e onde estiver o nome de Antonio lemos, trocarmos por Zenaldo. Não trabalhou. Abandonou a cidade. Quer entregar a iluminação pública para seus aliados.

Lemos foi acusado de favorecer o engenheiro Francisco Bolonha, ao conceder a ele o direito de construir quiosque para funcionar como tabacaria e poder explorar as concessões por alguns anos. O povo, insuflado, quebrou os quiosque, sobrando apenas o Bar do Parque, que é uma joia da arquitetura urbana de Belém.

Os opositores e críticos de Zenaldo Coutinho, usarão como exemplo aquilo que ainda ainda não funciona em Belém e atribuirão a responsabilidade ao atual gestor, sempre carregando nas tintas para pintar o bicho ainda mais feio do que realmente é. 

O cidadão, justo como deve ser um bom cidadão, dirá, com justiça, que um prefeito não pode realizar tudo num só mandato e esperará que os candidatos a sucessão do atual gestor apresentem boas saídas e poucas críticas. 

Insistir em exagerar nos ataques para esconder sua incapacidade de apresentar propostas viáveis para melhorar a cidade é o que não se espera dos candidatos. Os eleitores, na urna, saberão julgar bem. 

Os candidatos devem deixar as criticas e a baixaria de lado para olhar  os desafios da cidade e ter coragem de apresentar soluções factíveis. Também seria bom que soubéssemos com que equipe pretendem governar.  Sim. O bom prefeito não é aquele que fala muito, gesticula como se desejasse incutir nos outros sua mensagem. Também não aquele que apresentasse como membro do poder familiar. 

Um prefeito não governa sozinho. Precisará de uma boa equipe de planejamento, outra de gestão, os que saberão arrecadar, engenheiros e técnicos de trânsito e transporte, pessoal para aplicar educação de qualidade, equipe da saúde… Sem equipe boa, nada feito. 

Antes de encerrar, indo para os finalmente, é bom que se registre que os detratores de Antonio Lemos, eram os seguidores de Lauro Sodré, que depois viraram apoiadores do General Magalhães Barata. Os baratistas foram apeados do poder em 1964, retornado apenas em 1983 na figura modernizada de Jader Barbalho, um jovem feito líder político pelo pai, Laércio Barbalho. Vendo assim, ficamos com a certeza que por aqui a história se repete.

Ser justo com as coisas boas do gestor e exigir que os postulantes ao cargo encarem os problemas sem solução é o que importa ao cidadão. O embate político nos ajuda a conhecer os concorrentes, mas não interessa para o futuro da cidade.

Vereador pra quê?

Você já se fez essa pergunta muitas vezes, não fez? Pra que mesmo que tem vereador na minha cidade se eles nada fazem. Realmente, as Câmaras de Vereadores deixam sempre muito a desejar.

Mas se os edis – edis é um outro nome que se apelido o vereador – realmente cumprissem seu papel constitucional, te juro, muita coisa seria diferente.

O vereador não é para ser do grupo do prefeito e muito menos para dar amem as coisas erradas que o alcaide faz – alcaide é outro apelido para prefeito.

O primeiro papel do parlamentar mirim – sacanagem chamar o vereador assim – é o de fiscalizar se o prefeito e sua equipe estão cumprindo o Plano Plurianual, a Lei de Diretrizes Orçamentária e o Lei de Orçamento Anual. Fiscalizar se as despesas previstas estão sendo executadas segunda os princípios de eficiência, moralidade, publicidade, pelo menos. Olhar atentamente se as leis de licitação e contratação foram observadas.

O vereador é responsável por votar as leis municipais. Lei importantes que organizam o espaço territorial e a vida em comunidade. Posso afirmar que um bom município é aquele que tem pelo menos seis leis eficientes: Lei Orgânica, a Lei do Zoneamento Urbano, o Código de Posturas Municipais, a Lei de construções e edificações, um bom código tributário municipal e um código ambiental.

São só leis que interessam aos munícipes? – a apelido para o morador, para o cidadão, para o contribuinte municipal. Claro que não. O vereador pode votar os planos municipais de saneamento básico, quando regula o abastecimento de água e esgoto, mas também o plano municipal de resíduos sólidos, pelo qual se estabelece a política de tratamento do lixo produzido na cidade. Ainda tem o plano cicloviário, aquele que estabelece as regras do sistema de transporte público e por vai.

Quando o eleitor não sabe pra que serve o vereador e menospreza esta atividade pública relevante, toda cidade paga um custo alto e aqueles que podem, vendem a casa, arrumam as malas, pegam a rural e vão para morar em outro lugar. Os mais ricos, acabam indo para um condomínio fechado. Os que não podem fugir, são obrigados a ficar e dizer que todo politica é igual e que vereador não serve pra nada.

A escolha é sua. Dia 15 de Novembro, você terá uma nova chance de mudar o destino de sua cidade, votando com consciência.

Para encerrar essa minha xaropada – sim porque tem gente que é tão alienada nem gosta de falar de política – quero te dizer que toda a cidade precisa de um vereador do Partido Verde para defender a causa animal e ambiental.