Capitão Poço segue em escalada crescente de violência

Pessoas inocentes estão sendo mortas por execução, nos mesmos modos, da mesma forma, talvez com a mesma arma, por motivos diferentes, mas provavelmente pelos mesmos executores, (se as apurações forem eficientes), pode chegar a conclusão que estas execuções foram decididas e custeadas pelos mesmos mandantes.

A Polícia Civil segue no inquérito, que tramita em segredo de justiça, e já deve ter suspeito das mortes, que continua solto, aguardando, ansiosamente que, assim que os pedidos de providências chegarem a mesa da Juíza do Município, que ela se convença da necessidade de tirar os prováveis assassinos de circulação, garantido a segurança da população, a garantindo a colheita de provas e a integridade de testemunhas, afim de a justiça seja feita e a paz volte a reinar entre os maiores e melhores produtores de cítricos do Pará.

Aproveito para apelar as autoridades, principalmente ao Secretário de Segurança Pública e ao Poder Judiciário, que socorra Capitão Poço. Não deixe que a impunidade vença.

Reproduzo aqui a noticia do assassinato brutal da mais recente vítima publicada no Porta OuremNews.

Na manhã deste domingo (10), imagens e áudios circularam pela rede social informando que um corpo encontrava-se no perímetro da comunidade conhecida como Travessa Santa Luzia, Capitão Poço, próximo a uma fábrica de laranja do município.

As autoridades policiais ao tomarem conhecimento, confirmaram a informação, sendo que a vítima foi identificada pelo acunha de “Serra”, que segundo populares, era trabalhador de um conhecido lava jato da cidade, próximo ao residencial Goiânia.

Alguns moradores informaram para a policia, de terem ouvido ao menos uns cincos disparos, possivelmente de arma de fogo, as 5h da manhã deste domingo. 

Como em vários outros homicídios ocorridos anteriormente no município, a motivação da violência é totalmente desconhecida para a equipe policial.

Até o fechamento desta matéria, não tivemos qualquer outra informação relativa ao caso

Por: Paulo Bragança

http://www.ouremnews.com.br/2021/01/misterio-envolve-mais-um-homicidio-em.html?m=1

Violência, corrupção e injustiça preocupam a população de Capitão Poço.

O radialista e ex-policial conhecido como “Navalhada”, que denunciava crimes cometidos por pessoas poderosas e influentes em Capitão Poço, foi calado a bala.

O Senhor Navalhada foi brutalmente assassinado, num crime político, executado por encomenda, mas que até a presente data continua sem explicação e sem uma satisfação para sociedade local, criando um clima insuportável de impunidade, aumentando o poder dos mandantes e executor, que continuarão a agir na saga criminosa que implantaram naquele pacato e produtivo Município, repleto de bons cidadãos e cidadãs.

O inquérito sobre o brutal assassinato, para avançar na colheita de provas, dependerá de atos da magistrada local. Embora o processo corra em segredo de justiça, a comunidade de Capitão Poço sabe de onde partiram as ordens, desconfiando que os poderosos tentarão calar a Justiça e impedir que os atos do inquérito sejam prejudicados pela influência criminosa dos suspeitos.

A população esperar que o Tribunal de Justiça, o Ministério Público, cobre celeridade e atendimento aos requerimentos dos investigadores por parte da Magistrada, que não pode se intimidar ao poder dos criminosos.

O que o povo de Capitão Poço deseja e espera é Justiça e os familiares e amigos da vítima não calarão enquanto aquele que puxou o gatilho e que o contratou estejam atrás das grades, pagando pelos seus crimes, incluindo os crimes de corrupção denunciado pela vítima.

O monopólio político e econômico da família Tonheiro no nordeste paraense e a insegurança pública em Capitão Poço

a população quer apuração com transparência de todas as denuncias de irregularidas e do assassinato brutal e clama por justiça

As denuncias que o policial aposentado, conhecido com Navalhada, fazia contra a família Tonheiro, que controla politica e economicamente o município de Capitão Poço, que resultaram em seu assassinato brutal, ainda não explicado, precisam ser investigadas.

Segundo as denuncias, depois que a família Tonheiro, empresários de laranja e limão, móveis, supermercados, açougue, shopping, loja de informática, loja de material de peças para motos, loja Ferro e aço e as mais diversas atividades econômicas na região, incluindo loja de móveis em Bragança, entrou para  política, os negócios estão indo de vento em popa.

Muitas empresa foram criadas, com empregados do grupo como sócios, para participarem e vencerem as licitações. O comissão de licitação do município é controlada e volta para estes interesses, era o que denunciava Navalhada.

Nas vésperas das eleições, foi denunciado que a merenda escolar das crianças suspensa durante a pandemia, estava sendo distribuídas como cestas básicas para famílias carentes em troca de votos, sete dias antes do pleito. Ainda apura-se a possível falsificação de diploma do prefeito eleito João Tonheiro, que segundo dizem seu opositores é analfabeto.

A família Tonheiro, que elegeu o deputado estadual Antonio Tonheiro, para um segundo mandato, tem planos mais ousados na política e, pelo visto, não pretende apenas o controle econômico de todas as atividades lucrativas em Capitão Poço e região. Os Tonheiros querem muito mais. Nesta eleição, além de eleger João Tonheiro, prefeito de Capitão Poço, o vereador mais votados, também conquistaram o controle da prefeitura de Irituia, para qual elegeram Marcos Tonheiro, derrotando políticos tradicionais daquele município.

Os capitão-pocenses, confiam na Justiça, no Ministério  Público e aguardam a apuração de todos os fatos denunciados, incluindo a apuração das mortes e das ameaças, até com usa do bombas na casa de adversários políticos, disparadas por integrantes da família poderosa.