Quem estraga a política são os políticos sabinos

O deputado federal Celso Sabino pediu inscrição como candidato a prefeito de Belém pelo PSDB.

O pediu, segundo anunciou a coluna do Bacana foi protocolado perante a Executiva Municipal.

Tudo seria normal se não fosse os fatos protagonizados pelo próprio Sabino, que o descredencia dessa pretensão política.

Ele é ainda filiado ao PSDB, deputado federal pela legenda e eleitor de Belém.

Ocorre que Celso Sabino, logo após eleito, diga-se por obra e graça do apoio da máquina, se afastou do ninho tucano e sua irmã foi confirmada na JUCEPA pelo Governador Helder Barbalho. Mostrando sua inclinação por governos de plantão.

O deputado Sabino controla o Partido Solidariedade e só ainda não se filiou nesta sua nova legenda para não perder o mandato por infidelidade.

Note-se ainda que o controle do PSDB municipal de Belém é do prefeito Zenaldo Coutinho que está comandando sua própria sucessão e nesta articulação o Deputado Celso não tem espaço.

O deputado Celso Sabino sabe que não tem qualquer simpatia dentro do PSDB Municipal e muito menos manteria o leque de partido aliados ao prefeito, por isso tem chance reduzidíssima de apoio oficial para sua pretensão.

Sabedor dessa pouca chance, por que Sabino pleiteia a vaga de candidato municipal pelo PSDB?

Aqui é que morar a razão do título deste artigo.

O Deputado age de caso pensado para melar o jogo, criar dificuldades e usar tudo como moeda de negociações. Sua movimentação, com certeza, está sendo comemorada pelos estrategistas do MDB e de outras legendas com pretensões em dirigir os destinos da Capital Paraense.

Neste episódio e em outros, o que menos interessa são os problemas das pessoas que moram na cidade de Belém e precisam dos servos públicos de transporte, moradia, emprego, saneamento, arborização, cultura, lazer.

Estas manobras dos políticos sabinos, que usam a política para seus objetivos de poder pessoal, desprezando a principal função desta nobre atividade, que é servir os interesses coletivos, é que provocam a desconfiança da população e fazem o povo achar que todos os políticos são iguais, nunca se dão respeito e nem respeitam o desejo popular.

Por que o Pará elege tantos políticos populistas e corruptos?

Em 7 de cada 10 lares paraenses alguém recebeu auxílio emergencial no Pará.

O que isso quer dizer?

Somos um estado rico com um povo pobre. Um povo que vive de favores governamentais, sem autonomia pessoal, sem orgulho de manter com dignidade sua família. Dependente e suscetível a ser enganado por políticos corruptos e populistas.

Por isso, insisto que o bom Governador e o político correto será aquele capaz de fazer um transformação econômica para gerar emprego e distribuir renda.

Esse negócio de asfalto pra cá, asfalto pra lá não muda a vida das famílias em nada, até porque o asfalto é caro, retira dinheiro público de outras áreas importantes, enriquece poucos, permite corruptos desviarem recursos públicos e de tão mal feito, dura só até o próximo inverno ou a próxima eleição.

Ursula Vidal se colocou fora do jogo político e não foi agora.

Em qualquer situação, a verdade é sempre preferível, mas para alguns políticos essa regra parece não fazer sentido.

Uma pena!

A Secretária de Cultura Ursula Vidal publicou uma justificativa, repetida em nota no RD, que só não é infantil porque não corresponde a verdade, para dizer o que todos já sabiam, que ela não é candidata. Não é candidata porque não pode ser politica e nem legalmente.

Ursula não tem apoio político para se viabilizar como candidata. Não é a candidata do Governador Helder Barbalho, que tem outros compromissos. Não consegui ser a candidata do PT, que joga o jogo do MDB E sua imagem de novidade foi manchada pelas suas decisões pessoais equivocadas. Sem apoio político sua possibilidade eleitoral, que já era bem pequena, murchou

O segundo motivo, perdeu o prazo de desincompatibilização. O processo eleitoral exigia dela uma decisão que implicava em sair do governo em junho e correr o risco de concorrer sem a máquina e sem apoio político do seus atuais aliados, decisão que ela postergou por erro de interpretação jurídico.

Ursula Vidal se colocou fora do jogo e não foi agora.

Tudo começou quando Ursula se filiou, foi acolhida, apareceu no cenário e abandonou o seu primeiro partido, o PPS. Seguiu para uma nova legenda, o REDE Sustentabilidade, que logo trocou pelo PSOL, partido que a acolheu de braços abertos, mas deixou pra trás o esforço dos militantes daquela agremiação, para se juntar ao velho MDB de Jader Barbalho.

Ursula, foi mais uma promessa que ficou pra trás, engolida pela velha política, pela crença de que se pode viabilizar uma alternativa nova com velhas alianças e sem projeto político coletivo. Não há futuro nos velhos métodos, incluindo negar os fatos.

Maia afirma que maioria na Câmara não aprovaria adiamento das eleições hoje – 25/06/2020 – UOL Notícias

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que hoje (25) a maioria dos deputados não aprovaria o adiamento das eleições municipais marcadas para outubro de 2020. Na terça (23), o Senado aprovou uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que adia o pleito para novembro em decorrência da pandemia do novo coronavírus.
— Ler em noticias.uol.com.br/eleicoes/2020/06/25/maia-afirma-que-maioria-na-camara-nao-aprovaria-adiamento-das-eleicoes-hoje.htm

Eleições municipais em 15 de novembro, datas das convenções e desincompatibilização também serão alterada

Senado aprova em primeiro turno texto-base que muda datas das eleições municipais

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/06/senado-aprova-em-primeiro-turno-texto-base-que-muda-datas-das-eleicoes-municipais.shtml?utm_source=mail&utm_medium=social&utm_campaign=compmail